100 anos do Mestre Vitalino – Gerson Santos

 

Dez de julho cem anos

Mas é do seu nascimento

Vitalino fez história

Que em versos eu comento

Leia com muita atenção

Vou contar nesse comento

 

Caruaru se destaca

Pela sulanca e a feira

É porque lá têm de tudo

E que não é brincadeira

É só você visitar

Para poder comprovar

Que não tô falando asneira

 

Lá têm mesmo é cultura

Que já virou tradição

Um deles é Vitalino

Esse foi um grande artesão

Pois a sua inteligência

Fazia bonecos com a mão

 

Mil novecentos e nove

Foi a cem anos atrás

Nascia um grande artesão

Que não esquecemos jamais

O lendário Vitalino

Quando ainda era menino

Tinha mesmo algo a mais

 

Sitio Ribeira dos Campos

O local onde nasceu

A data era dez de julho

E um bom tempo lá viveu

Só mesmo em quarenta e oito

Na arte ele foi afoito

E o mundo lhe conheceu

 

Vitalino bem pequeno

Com seis anos começou

Sua mãe fazia louças

E dela se aproximou

Sombras de barro ela dava

Ele pegava e moldava

Dai a inspiração chegou

 

E a sua primeira peça

Foi algo de inspiração

Três maracanãs numa árvore

Cachorrinho acuado então

E quem estava espiando

Era um caçador apontando

Com a espingarda na mão

 

 

Resultado da experiência

Quando o mesmo era criança

E com essa modelagem

Se enchia de esperança

As suas miniaturas

Em forma de criaturas

O sucesso logo alcança

 

As louças de brincadeiras

Bichinhos como paliteiro

Fazia outros utensílios

Mealheiro e farinheiro

Com a mãe que era louceira

Pra ele era brincadeira

Pois aprendia ligeiro

 

Mas na década de trinta

Sua criatividade

Chegou mesmo a engendrar

Como peças de novidade

Pois as figuras humanas

Tinham as formas bacanas

Fazia mesmo de verdade

 

Dos ceramistas da época

Ele era diferente

Boi procissão retirantes

Fazia o que vinha na mente

Até o trio nordestino

Banda de pífano menino

Se parecia com gente

 

Era um observador

Do nosso cotidiano

Costumes e suas crenças

Que tinham o ser humano

Ele o barro pegava

Com paciência moldava

Ficava muito bacano

 

Circuito salões das artes

Vitalino conquistou

José Elísio João Condé

Os irmãos que ajudou

Até artista plásticos têm

Abelardo e Augusto também

Deram uma força com amor

 

E com trinta e nove anos

Vitalino se mudou

Foi lá pro alto do moura

Onde ele se instalou

Por causa da facilidade

E muito próximo a cidade

O próprio até se encontrou

 

Por lá se encontrava

Um núcleo de oleiros

Rio e a matéria prima

Que era o barro verdadeiro

Só que a fama do artista

já se perdia de vista

Estava no mundo inteiro

 

Exímio tocador de pífano

O Vitalino gostava

As suas mãos muito hábeis

Que o seu barro modulava

Fazia o seu instrumento

Escolhia um bom momento

Pau oco com furos tocava

 

Aos cinquenta e quatro anos

Vitalino faleceu

Seus bonecos ficaram tristes

Mesmo assim não se escondeu

A sua casa aparente

Recebe milhares de gente

Porque lá virou museu

 

Já são quarenta e seis anos

Do desaparecimento

Do  grande mestre do barro

Que partiu pro firmamento

Lá ele descansa em paz

Porque ele foi demais

Não parava um momento

 

Do barro foi feito o homem

E foi Deus quem o criou

Vitalino como filho

Tentou que até copiou

Digo isto sem o poder

Pois não quero desfazer

Do nosso pai criador.

 

Ele é mesmo um dos ícones

Da cultura do nordeste

A sus arte ganhou o mundo

Caruaru foi tu quem deste

Orgulho dos Pernambucanos

Dez de julho faz cem anos

Vitalino cabra da peste

 

Caruaru da sulanca

Vitalino lá nasceu

E lá no alto do moura

Sua casa hoje é museu

Esse bairro é atração

Têm filhos netos artesãos

Seguindo o caminho seu

 

Me lembra deste menino

Que comentavam então

lá mesmo em Caruaru

Tinha o melhor São João

É porque lá todo mundo

Não para mesmo um segundo

Por causa da animação

 

A bela Caruaru

Que é bastante conhecida

É a capital do forró

Pois ela é muito querida

Pra brincar o São João

Não tem outro lugar não

Porque lá se vive à vida

 

O forró trás outros ritmos

Que se brinca com emoção

Quadrilha Coco Xaxado

Mas sem esquecer do Baião

São as danças do nordeste

Pra quem é cabra da peste

Têm mesmo essa opção

 

Comidas regionais

Você encontra a vontade

Arraias em todo canto

Espalhados na cidade

E que cada um têm forró

É impossível ficar só

Pois confira que é verdade

 

Bacanarteiros anunciam

Para toda multidão

Que a maior festa do mundo

Só pode ser o São João

Daqui de Caruaru

Brinca eu e brinca tu

Na maior animação

 

Quem gosta de forrozá

Não perca oportunidade

Vá para Caruaru

E brinque mesmo a vontade

É o melhor São João do mundo

Digo isso e não confundo

Descubra a realidade

 

 

Vai gente de todo canto

Pra Caruaru brincar

No grande parque de eventos

É a atração do lugar

Quem for pra lá solteiro

Vem encontrar bem ligeiro

Um par pra se enganchar

 

A BR 232 agora ela é chamada

Do nosso Luiz Gonzaga

Homenagem muito arretada

Ao grande Rei do Baião

Sanfona chapéu e Gibão

Pra Caruaru pegue a estrada

 

O prefeito Zé Queiroz

Teve a felicidade

Homenagem Vitalino

Na grande festividade

Sem dúvida é o São João

O melhor do mundo então

Reina em toda cidade.

 

 

 

 

2018-09-28T09:42:15+00:00 outubro 13th, 2018|Cordel|0 Comentários

Sobre o Autor:

Deixar Um Comentário