A feira – Rogério Andrade

Meu amigo dê licença

Para o que eu vou falar

Uma coisa importante

Que existe em qualquer lugar

 

Me refiro à Feira Livre

Que existe em toda cidade

Frequentada por crianças

E gente de toda idade

 

Lá se vende tudo, tudo

Que se possa imaginar

Prego, prato, jaca, manga

Roupa, milho e jatobá

 

Tapioca, caçarola

Abacaxi e trapiá

Vende até fumo de rolo

E cumbucas de cajá

 

Como então pode se ver

Temos que considerar

Que a feira é importante

Em todo e qualquer lugar

 

Facilita o dia-a-dia

Daquela localidade

Conforto pro cidadão

E certa comodidade

 

É certo que o povo fala

Que bagunça a cidade

Da sujeira pelas ruas

E tudo isso é verdade

 

Atrapalha todo o trânsito

Invade toda calçada

E perturba a população

No sono da madrugada

 

Mas aqui vale lembrar

Do valor desse feirante

Que pra nossa economia

É figura importante

 

Essa feira, esse comércio

De caráter popular

Gera muito emprego e renda

Para o povo do lugar

 

Aliás, conheço gente

Que não falha um só dia

Vai pra feira

Sempre, sempre

Procurando companhia

 

Outros vão pra “tomar uma”

Ou comer uma buchada

Encontrar-se com os amigos

Pra falar de vaquejada

 

Meu compadre Severino

Cumprindo sua rotina

Numa dessas conseguiu

A sua esposa Marina

 

Portanto, prezado amigo

Pra manter a tradição

Este assunto bem merece

Uma boa discussão

 

Que se chegue a bom termo

Feirante e população

Pois quando há boa vontade

Surge logo a solução.

 

Fim

2018-11-06T14:11:13+00:00 novembro 2nd, 2018|Cordel|0 Comentários

Sobre o Autor:

Deixar Um Comentário