Caminhando com Deus – Ivan Barbosa

Neste mundo enegreceu 

E um homem como eu

Não alcança uma aventura,

Mas sou um dos felizardos

Não quero caminho pardo

Nem pretendo estrada escura.

Venham lampiões nas mãos

Pra clarear meus caminhos

Juntos sem fazerem revés

Ainda que furemos os pés

Nas pedras e nos espinhos.

 

Eu não quero estrada larga

Aceito uma vida amarga

Desde que nela haja luz,

Quero ter obediência

Sofrendo com paciência

Terei o perdão de Jesus,

Vou seguir os meus caminhos

Mesmo tendo muito espinhos,

Mas não vou desanimar,

Melhor será o troféu

Que um dia lá no céu

Minha alma há de ganhar.

 

Irmão com suas famílias

Vivam noites de vigílias,

Mas não caiam em tentação,

Como a bíblia traduz

Que a vinda de jesus

É idêntica a do ladrão

É por isso que eu oro

Pelos meus pecados choro

Chego a me emocionar

Só a Deus peço perdão

Que com sua compaixão

Queira ele me perdoar.

 

Irmãos não sejam ridículos

Examinem os capítulos

Das escrituras sagradas,

Só elas fazem saber

Que Jesus veio sofrer

Pelas pessoas abandonadas.

Até imagino a cena

Que Maria Madalena

Foi uma mulher sem cartaz,

Mas Jesus lhe perdoou

E ainda lhe falou:

Vá mulher, não pequeis mais.

 

Sigamos caminho estreito

Porque este é o único jeito

De um dia termos vidas

Deixemos as estradas largas

Pra que não aumentem as cargas

Das matérias corrompidas

Quero sofrer por Jesus

“Caminho, Verdade e Luz”

Fonte de toda bondade,

E só nos caminhos seus

Que hei de gozar nos céus

ETERNA FELICIDADE.

 

Não zombem de vida alheia

E nem demonstrem cara feia

Se alguém vir lhe insultar,

Sempre fique de olhos fixos

Na imagem do crucifixo

“Jesus veio perdoar”

É assim ainda eu vivo

Pobre, humilhado e cativo,

Mas com Deus no coração

E o que mais me alivia

É eu crer e saber que um dia

Ganharei a salvação.

 

Este mundo atual

Está cheio de homem mau

Cobiçando a vida alheia,

Ver-sé dolorosa cena

Por qualquer rixa pequena

Um irmão a outro odeia

Hoje, eu sou um rogante

pedindo a Deus a todo instante

Pra todo ódio acabar

e apesar do meu sofrer

Do meu grande padecer

Ainda tenho amor pra dar.

 

2018-11-06T13:41:25+00:00 novembro 6th, 2018|Cordel|0 Comentários

Sobre o Autor:

Deixar Um Comentário