Crítica: Geronimo, de Anny Stone

A convite do Cultura.PE, o jornalista e crítico audiovisual Luiz Joaquim escreve sobre Gerônimo, eleito melhor curta de ficção do 20º FestCine. A fotografia do filme também foi reconhecida pelo juri do Festival.

Nunca foi fácil trabalhar no cinema entre o limiar do realismo e do fantástico (ou do surrealismo). Dar o tom correto tanto a um quanto a outro, se desenvolvidos separadamente, já é também, por si só, algo que requisita uma elaboração para lá de azeitada sobre suas fórmulas, sobre seus signos. Realizar algo que transite de um lado para o outro dentro de uma mesma obra… bom, aí já entramos num outro patamar de sofisticação.

O curta Geronimo, de Anny Stone, venceu na categoria de Ficção

No caso do trabalho eleito como o melhor curta-metragem de ficção na Competitiva Geral do 20º Festcine – Geronimo, de Anny Stone– é suave, mas segura, a curva que nos conduz do concreto para o intangível no percurso de seu enredo. E só por isso, o filme de Stone mereceria atenção. O cenário aqui é determinante, e também é a opção como ele nos é apresentado. Falamos da bela, dura e desértica região do Vale do Catimbau pela qual transita o protagonista Geronimo (vivido pelo ator paraibano Sebastião Formiga, de O som ao redor).

Com a fotografia de Breno César imprimindo uma tonalidade quase monocromática e assim aproveitando a pequenez de Geronimo diante da imensidão dos cânions, fica de pronto estabelecido que a aridez da paisagem só reforça o que o destino reserva de pedregoso para o nosso herói. E o melhor, num sentido literal e também metafórico.

A aridez da paisagem emoldura a aridez do protagonista, do qual não escutamos nenhuma fala, não recebemos nenhum dado além do que temos na imagem. Ele é um homem simples, vivendo numa humilde casa sertaneja e que, ao acordar, se prepara para uma jornada, carregando com muita dificuldade um caixão nas costas. Sobe uma trilha improvável para o alto de uma montanha e com ele vamos tentando entender o porquê de tanta determinação. O porquê daquele empenho para seguir diante de tanta dificuldade nas quais tropeça no percurso.

A não resposta que o filme não dá para essa pergunta é a não resposta que nunca teremos, mas sempre a buscaremos até a morte. “Transitar” é o verbo mais preciso a usar aqui, uma vez que Geronimo, roteirizado por Sidney Rocha, trata de uma travessia, e sobre o que a travessia significa, sendo ela mais definidora do que o seu destino. É da vida, portanto, que Anny e Sidney nos falam em seu filme.

Na travessia não faltam distração e alegria, como temos na vida. A representação aqui vem na forma de uma roda-gigante, cuja imagem Geronimo não hesita em registrar numa máquina fotográfica. Um instrumento que define muito bem a tentativa de prolongarmos o prazer, ou estendermos o tempo (ou a memória de um tempo). Interessante percebermos que o prazer aqui não vem descolado do risco, na forma de um precipício que ameaça Geronimo, distraído por esse prazer.

Aqui, Anny aproveita bem a situação provocando o espectador sobre um possível falso final. É como um recado, nos lembrando que a distração nos alivia de nosso destino, mas ele sempre vai nos espreitar por trás, uma vez que a humanidade está condenada. Um destino que se repetirá e se repetirá e se repetirá.

Em sua leitura mais direta, Geronimo nos remete à mitologia grega de Sísifo, que recebeu dos deuses, como castigo, a obrigação de levar nas costas uma enorme pedra de mármore para o topo de uma montanha, de onde ela rolaria para baixo sempre que ele estivesse próximo de atingir seu objetivo.

A sina de Sísifo era para o mesmo não esquecer de que os mortais nunca terão a mesma liberdade que os deuses. Se a própria raiz da palavra ‘mortal’ define a condição do homem, o que lhe cabe é cuidar da limitada liberdade que possui dentro de sua travessia. Aquela que tem um destino definido, para um único e inevitável lugar.

 

 

Fonte: http://www.cultura.pe.gov.br

2018-12-19T10:05:35+00:00 dezembro 19th, 2018|Notícias|0 Comentários

Sobre o Autor:

Deixar Um Comentário