Músicos comemoram o Dia do Frevo em Bom Jardim

 

A cidade de Bom Jardim vai comemorar o Dia do Frevo. Desde 2014 a iniciativa vem contagiando os músicos da cidade.

O FREVO é natural de Pernambuco. O mais pernambucano de todos os ritmos. Da luta entre  classes sociais do final do século XIX para  o reconhecimento de uma cultura popular  que se tornou Patrimônio Cultural Imaterial  Brasileiro( 2007) e Patrimônio Imaterial da Humanidade(2012).

O dia 9 de fevereiro é uma data emblemática para cultura popular no país. A data marca a primeira vez em que o termo FREVO foi publicado em um jornal do Recife, em 1907. A origem do nome frevo vem da palavra ferver. Os foliões pulavam, dançavam, se alegravam, “ferviam” ao som das batidas que arrastavam multidões em Recife e Olinda.  Neste vai e vem de gente quente havia conflitos e agressões físicas e por isso praticantes da capoeira foram colocados na ala de frente destes blocos. A sombrinha era um destaque especial nas coreografias dos brincantes.

O frevo é democrático, dança popular. Os brincantes recriam e fazem novos passos. Para fazer os passos clássicos  do frevo é necessário treino, técnica e bom condicionamento físico. São passos característicos do frevo: na ponta do pé e calcanhar, a tesoura, o ferrolho, o engana povo, o Saci, parafuso, girando e  outros.

Bom Jardim é uma cidade que tem uma forte identidade com o Frevo. Neste município nasceu Levino Ferreira, um dos principais compositores de frevo de todos os tempos. Suas composições serão sempre lembradas enquanto houver frevo: Último dia, Diabos do Céu – Diabo Solto, Mexe com Tudo, Vassourinha do Levino, A Cobra Fumando e muitas outras composições.

Na terra da música e de músicos, Bom Jardim também é berço do nascimento de muitos compositores de frevo, a exemplo de: Mestre Teté, Dimas Sedícias, Luís Gonzaga de Oliveira, José Pessoa (Zé Bagre), Rogério Andrade, Laurivan Barros, Braúlio de Castro, Mac Sedícias, Edjeferson Sedícias, Julião Barbosa, Felipe Barbosa e Roberto Cruz.

José Abelardo Barbosa de Medeiros (Chacrinha) e Lorenço da Fonseca Barbosa (Capiba) também nasceram em Bom Jardim. Foram “adotados e repatriados” para Surubim, em razão da emancipação política, do desenvolvimento econômico da cidade capital da vaquejada.

Para celebrar a data, os músicos bonjardinenses farão um bloco neste sábado(9). A festa começa às 19 horas na Praça de São Sebastião. Todos são convidados. A iniciativa conta com o apoio do Projeto Site culturapopularpe.com.br

 

Foto: Arquivo – Balé Popular de Bom Jardim

Por Edgar Severino dos Santos e Joseilda Oliveira.

 

 

2019-02-09T14:20:14+00:00 fevereiro 9th, 2019|Vitrine|0 Comentários

Sobre o Autor:

Deixar Um Comentário